The cut-to-length method

The Cut-to-Length method

MÉTODO CORTE NO COMPRIMENTO - SINÔNIMO DE RESPONSABILIDADE FLORESTAL

No método de corte no comprimento, as árvores são colhidas na floresta com equipamentos desenvolvidos especialmente para esse fim, o que torna o método efetivo e ecologicamente adequado.

O método de corte no comprimento é frequentemente considerado como um método de colheita nórdico. O método de corte no comprimento foi originalmente desenvolvido com base no desejo de otimizar a eficiência da cadeia de produção de colheita e processamento de madeira, removendo estágios de trabalho desnecessários. No corte no comprimento, as árvores são processadas na floresta de acordo com o uso, o que permite um alto valor de rendimento e uma cadeia logística eficaz. Isso permite a aplicação flexível de diferentes modelos de desbaste e de colheita de regeneração de acordo com as boas práticas florestais, visto que as máquinas são fáceis de operar e as árvores são processadas eficientemente uma por uma.

Equipamentos e custos

No método de corte no comprimento, o equipamento de colheita geralmente consiste num conjunto de duas máquinas, isto é, do harvester e do forwarder. O harvester derruba, desgalha, mede os troncos e corta-os em combinações solicitadas pela fábrica. Combinações referem-se aos diferentes usos dos troncos extraídos, como troncos para serragem, troncos para contraplacado, parafusos, madeira para celulose e material para uso de bioenergia. O sistema automático do harvester é responsável por definir as combinações mais valiosas para o uso dos troncos. Isso é chamado de toragem automática.

O forwarder transporta as árvores para a beira da estrada e monta uma pilha separada para cada combinação. O transporte de longa distância até a fábrica é feito por um caminhão de madeira com uma grua para carregamento.

No método de fustes inteiros, o equipamento de colheita consiste em um derrubador para derrubar as árvores, um skidder para puxar os troncos intactos para a beira da estrada e um desgalhador ou um processador. O desgalhador remove os galhos e corta as copas dos troncos. Muitas vezes, é necessário também um retalhador ou um processador na beira da estrada, caso os troncos sejam muito longos e precisem ser cortados para o transporte de longa distância. O carregamento no caminhão de madeira é realizado com uma grua transportada no caminhão ou com um carregador separado. Em terrenos acidentados, o método de fustes inteiros também pode ser realizado por um conjunto de yarders de cabos aéreos. Neste método, os troncos são içados em morros íngremes com guinchos especificamente desenvolvidos para isso.

O método de fustes inteiros requer mais máquinas que o método de corte no comprimento. No método de corte no comprimento, normalmente são necessárias duas máquinas para um trabalho que requer três ou quatro máquinas no método de fustes inteiros. O consumo de combustível por metro cúbico colhido é menor com o método de corte no comprimento do que com o método de fustes inteiros, já que cada árvore é processada apenas por duas máquinas (harvester e forwarder. Outros custos de funcionamento das máquinas também são menores no método de corte no comprimento.

A estrutura de custo de corte no comprimento é diferente do método de fustes inteiros porque as circunstâncias de colheita tais como encostas, longas distâncias de transporte florestal e solo macio impactam significativamente menos na produtividade das máquinas do que no método de fustes inteiros. Portanto, a produtividade geral da cadeia de máquinas é mais nivelada e mais fácil de gerenciar.

Por que o método de corte no comprimento é mais responsável?

As máquinas usadas no método de corte no comprimento apresentam uma grua de até aproximadamente 10 metros, e os troncos podem ser cortados na floresta, o que permite um eficiente desbaste seletivo. No desbaste seletivo, um denso montante de floresta é desbastado e suas melhores árvores são deixadas para crescer de acordo com as recomendações florestais. Isso garante que o valor da floresta aumentará e produzirá madeira de alta qualidade em um desbaste posterior ou em colheita final. O desbaste realizado adequadamente evita que o montante florestal fique muito denso e que as árvores sequem, além de manter a floresta viável. Isso reduz significativamente os riscos de danos causados por insetos e fogo, entre outras coisas.

No método de corte no comprimento, as árvores são desgalhadas e cortadas em toras na floresta. Isso significa que a parte superior rica em nutrição e a barra de galhos, formada por folhas/acículas, ramos e copas, são deixadas na floresta. Especialmente em solo pobre em nutrientes, isto garante que as árvores que foram deixadas para crescimento ou as mudas de regeneração extraiam os nutrientes do solo em quantidade suficiente. Como alternativa, parte dessa barra pode ser coletada para uso de bioenergia, mas mesmo nesse caso, os nutrientes das folhas e acículas permanecem na floresta. A copa e a barra de galhos também são utilizadas para uniformizar o trilho da máquina na floresta e reduzir a pressão das máquinas sobre o terreno, o que poderia provocar danos ao solo e possíveis erosões. Quando o método de corte no comprimento é executado corretamente, a pressão da máquina sobre a superfície do solo é comparável a de uma pegada humana. No método de fustes inteiros, esses nutrientes são transportados para a beira da estrada e para fora da floresta e, como os troncos são transportados com os galhos intactos, a barra não pode ser utilizada nos trilhos da máquina.

No método de corte no comprimento, o espaço necessário para o descarregamento é pequeno pois a madeira não é processada ali. No método de corte no comprimento, o transporte de madeira ocorre o mais rápido possível após a madeira ter sido trazida para a beira da estrada. Desta forma, os estoques não crescem demais. A rápida rotatividade diminui a quantidade de infestação de insetos. O método de fustes inteiros requer uma grande área de descarregamento na beira da estrada, já que é onde ocorre o desgalhamento e parte do corte em toras. No método de fustes inteiros, se a barra superior não for usada para bioenergia, a área de descarregamento precisa ser limpa após a colheita, pois a grande quantidade de barra de galhos/copa cria um risco de incêndio incontrolável. Essa limpeza é geralmente realizada pela queima, o que libera uma grande quantidade de dióxido de carbono na atmosfera.

O método de corte no comprimento possibilita colher até mesmo pequenas áreas de corte de forma econômica, já que há menos máquinas para se deslocar para o local de trabalho e elas são relativamente fáceis de mover devido ao seu peso leve. Para locais pequenos, também foram desenvolvidas máquinas Dual especiais que podem funcionar como harvesters e forwarders. Nesses casos, apenas uma máquina é suficiente para executar o trabalho. 

Pelas razões acima, o método de corte no comprimento permite uma silvicultura responsável que intensifica grandemente o crescimento da floresta. Uma floresta em crescimento é um excelente filtro de carbono porque, à medida que as árvores crescem, elas absorvem uma grande quantidade de dióxido de carbono da atmosfera. Juntamente com danos no terreno, esta é uma das questões ambientais mais importantes relacionadas à responsabilidade.

O método de corte no comprimento proporciona um rendimento mais elevado a partir de material valioso de madeira e um menor desperdício de madeira

O método de corte no comprimento permite que se produzam muito mais parafusos no desbaste inicial do que o método de fustes inteiros. Isso ocorre porque o harvester otimiza cada tronco com precisão antes de cortá-lo. Portanto, o tronco não é cortado baseado numa "estimativa visual".

Além disso, quando se utiliza o método de corte no comprimento, até mesmo uma pequena quantidade de madeira especial pode ser separada e transportada de forma econômica para a fábrica. Exemplos disso incluem diferentes qualidades de toras, tronco para contraplacado e postes. Devido a isso, o método de corte no comprimento permite um melhor volume e rendimento de valor, pois a árvore inteira é utilizada de forma eficaz. No método de fustes inteiros, geralmente o desperdício é maior.

Logística em um papel fundamental

Quando implementado corretamente, o transporte de longa distância de madeira para a fábrica pode ser realizado a um custo menor e mais eficaz no método de corte no comprimento do que no método de fustes inteiros.

Por exemplo, no método de corte no comprimento, os troncos são transportados diretamente para a serraria, os troncos para contraplacados vão diretamente para a fábrica de compensados e a celulose diretamente para a fábrica de papel ou celulose. Por esta razão, a distância de transporte é menor do que no método de fustes inteiros, no qual os troncos inteiros normalmente são transportados primeiro para a serraria, onde são descarregados e a parte adequada para o corte é selecionada.

O restante se transforma em madeira para celulose e é picado, carregado em um caminhão e transportado para uma fábrica de papel ou celulose. Assim, no método de fustes inteiros, existem mais estágios de processamento para a madeira para celulose do que no método de corte no comprimento e, por exemplo, a distância de transporte da madeira para celulose é quase sempre maior do que no método de corte no comprimento.

Além disso, viagens de ida e volta podem ser utilizadas para o transporte no método de corte no comprimento. Isso significa que, por exemplo, enquanto as toras da colheita são recolhidas no local de extração e levadas para uma serraria, uma carga de celulose também pode ser recolhida perto da serraria e levada para uma fábrica de papel. Com uma logística eficiente, evita-se viagens desnecessárias sem carga e reduz-se as emissões de dióxido de carbono.

When implemented correctly, the long-distance transport of wood to the mill can be carried out at a lower cost and more effectively in the cut-to-length method than in the tree-length method.

For example, in the cut-to-length method, logs are transported directly to the sawmill, veneer logs directly to the plywood mill and pulpwood directly to the paper or pulp mill. For this reason, the transport distance is shorter than in the tree-length method, in which the entire trunks are typically first transported to the sawmill, where they are unloaded and the part suitable for sawing is cut off.

The rest becomes pulpwood and is chipped, loaded into a truck and transported to a paper or pulp mill. Thus, in the tree-length method, there are more processing stages for pulpwood than in the cut-to-length method and, for example, the transporting distance of pulpwood is nearly always longer than in the cut-to-length method.

In addition, round trips can be utilized in the transportation for the cut-to-length method. This means that, for example, when sawlogs have been picked up at the logging site and taken to a sawmill, a load of pulpwood can be picked up near the sawmill and taken to a paper mill. With efficient logistics, unnecessary empty running can be avoided to reduce carbon dioxide releases.

Rapidez no processamento posterior

No método corte no comprimento, as toras são cortadas na floresta. Portanto, elas podem ser classificadas na serraria em lotes com diâmetros semelhantes antes do processo de serragem. Um lote como esse pode ser serrado com uma linha de alta velocidade, visto que todos os troncos são aproximadamente do mesmo diâmetro. As configurações da serra não precisam ser ajustadas entre os troncos.

No método de fustes inteiros, as toras geralmente são serradas na ordem em que são removidas do tronco. Portanto, o diâmetro do topo é diferente para cada tronco e, por esse motivo, as configurações da serra devem ser ajustadas de acordo. Isso, por sua vez, leva a uma menor linha de velocidade e menor eficiência.

A Ponsse é especializada em máquinas florestais projetadas para o corte no comprimento e em sistemas de informação relacionada.